terça-feira, 18 de agosto de 2009

Filme com publicitário: Kramer vs. Kramer

E mais uma vez citamos o publicitário como sendo aquele frenético workaholic, e olha que o filme é de 1979. Assim brilha Dustin Hoffman no papel de Ted Kramer, um brilhante publicitário em “Kramer vs. Kramer”, do diretor e roteirista Robert Benton.

Baseado no livro de Avery Corman, "Kramer vs. Kramer" conta a vida do publicitário Kramer, que é casado com Joanna (Meryl Streep) e tem um filho Billy (justin Henry). Logo no princípio do filme percebemos que Kramer preocupa-se muito mais com as campanhas que desenvolve na agência do que com a família que sente falta do pai e marido. A propósito, estamos falando de uma obra-prima em questão de valores familiares.

Joana, completamente infeliz com a vida que leva resolve abandonar a família. Kramer fica então obrigado a assumir também o papel de mãe do pequeno Billy. Porém, quando finalmente consegue ajustar seu trabalho a estas novas responsabilidades, Joanna reaparece exigindo a guarda da criança. Ted se recusa e os dois vão para o tribunal lutar pela custódia do garoto.

É uma produção simples, com diálogos estranhos – digno de coisas pouco comerciais nos tempos atuais. E mesmo que consiga explorar os sentimentos de cada personagem, a produção não toca profundamente seu expectador como deveria. Vale a pena citar ainda a trilha sonora, que é tão simples quanto marcante.

"Kramer vs. Kramer" fez bonito diante do público, até hoje existem vários fãs, além do que a crítica também aprovou o resultado, tanto é que o filme foi o grande vencedor do Oscar 1980, conquistando cinco estatuetas: Melhor Filme, Melhor Ator (Hoffman), Atriz Coadjuvante (Streep), Roteiro Adaptado e Direção, além de outras quatro indicações: Ator Coadjuvante (Justin Henry), Atriz Coadjuvante (Jane Alexander), Fotografia e Edição, deixando para trás filmes de sucesso como "Apocalypse Now" e "Norma Rae".

Falando do publicitário Kramer, ele tem algumas caracterpisticas que realmente são importantes em nossa profissão, ele é seguro de si, valoriza-se o tempo inteiro e tem um alto astral que o fortifica no trabalho. Claro que é difícil desenhar um paralelo do publicitário de Nova Iorque em 1979 com o que temos hoje. Se você assistir ao filme pensando na espantosa mudança de cenário verá que nada do que é visto ali ajuda a entender o que molda um profissional de comunicação de destaque nos tempos atuais. Estamos falando de uma época em que as mídias sociais nem sonhavam existir.

Elenco:
Dustin Hoffman | Ted Kramer
Meryl Streep | Joanna Kramer
Jane Alexander | Margaret Phelps
Justin Henry | Billy Kramer
Howard Duff | John Shaunessy
JoBeth Williams | Phyllis Bernard
George Coe | Jim O'Connor
Bill Moor | Gressen, advogado de Joanna
Howland Chamberlain | Juiz Atkins
Jack Ramage | Spencer
Jess Osuna | Ackerman
Nicholas Hormann | Entrevistador
Ellen Parker | Professora
Shelby Brammer | Secretária de Ted
Carol Nadell | Sra. Kline
Donald Gantry | Cirurgião
Judith Calder | Recepcionista
Peter Lownds | Norman
Kathleen Keller | Garçonete
Melissa Morell | Kim Phelps

Título original: Kramer vs. Kramer
Direção: Robert Benton
Gênero: Drama
Origem: Estados Unidos
Ano: 1979
Duração: 101 minutos
Estúdio: Columbia Pictures Corporation
Trailer: clique aqui
Site: -

:: Nota do blogueiro: 8.3
Por quê? Porque é diferente, e certamente nunca mais veremos algo parecido no cinema que aprendemos a gostar. Além do mais, é uma ótima oportunidade de rever conceitos, pensar na importância da nossa profissão se ter a certeza de que estaremos fritos em pouco mais dez anos - se tudo terminar bem.

Este Filme com publicitário foi dica da leitora Regina Mendes.

2 comentários:

Luciana Domingues disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciana Domingues disse...

Esse filme é MARAVILHOSO, é o retrato fiel do profissional de publicidade na década de 70/80. Lembrei muito do meu pai, que era publicitário, nessa mesma época.
Foi desnecessária a parte do texto que fala sobre o mundo publicitário atual, só um leigo, não saberia que hoje a realidade é bem diferente. Não é por isso que o filme não deve ganhar seus méritos.