segunda-feira, 1 de março de 2010

Mais polêmico do que criativo | 31

Tudo começou com uma tag #bemmisteriosa no Twitter, que levava os curiosos internautas ao site http://www.bemmisteriosa.com.br. Era um teaser - nem digo se era bom ou ruim, mas conseguiu deixar a blogaiada e os tuiteiros de plantão, de fato, intrigados com o mistério. No site, a imagem do buraco de uma fechadura ia revelando o corpo de uma mulher do outro lado. Quanto mais as pessoas tuitavam aquilo, mais ia se revelando - pelo menos, essa era a ideia. Só depois descobri que o número de twitters não tinha nada a ver com a revelação - um considerável erro tático do anunciante.

Porém, o pior (ou melhor) ainda estava por vir. Paris Hilton se revela a garota-propaganda da Devassa, bem loura, bem gostosa, enfim, bem Devassa. Daí a badalada socialite veio ao Brasil para o Carnaval carioca, sambou, deu entrevista para a Globo e apresentou a nova proposta da cerveja - tudo devidamente uniformizada, e claro, seguindo o roteiro do seu contrato de 700 mil doletas para estrelar a campanha.

Criada pela Mood, a campanha foi realmente barulhenta e quase impossível não ser notada no meio de todo aquele confete da peculiar data. Gerou buzz, muito buzz, diga-se de passagem. O problema é que esqueceram de avisar o CONAR, e aí sim, a coisa começou a ficar preta - com o perdão do infame trocadilho.

O conselho que regulamenta o que vai ao ar no Brasil abriu três processos contra a campanha, alegando, obviamente, que houve excessivo apelo sexual na coisa toda. O primeiro deles teve origem em representação formal apresentada por um consumidor comum. O segundo foi aberto pelo próprio CONAR, questionando uma promoção realizada no site da marca - criado pela ID\TBWA -, que estaria estimulando o consumo excessivo de bebidas alcoólicas. E finalmente, o terceiro processo foi aberto pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, que também alegou que o site tem conteúdo sexista e que desrespeita a mulher. Até agora, a sustação da campanha se deu por meio de uma liminar.

O caso chegou a repercutir nos Estados Unidos, onde ganhou destaque a pergunta que o site Advertising Age fez: "Seria Paris Hilton sexy demais para o Brasil?" Obviamente não, porém, o que se discute vai muito além do corpo da mulher em questão.

Abaixo está o filme da campanha, produzido pelo O2, que foi todo gravado em Los Angeles, com algumas cenas do Rio de Janeiro inseridas na pós-produção. Tire suas próprias conclusões. Como o contrato de Hilton é de um ano, provavelmente haverá um novo filme no segundo semestre de 2010. Será que teremos alguma resposta ao CONAR?



Free Image Hosting

1 comentários:

Rubens Gualdieri disse...

Não penso que seja mais polêmico que criativo, mas sim, mais ousado que criativo. O nome Devassa provoca, mexe, bota pra pensar, acusa, insinua, enfim, tira o interlocutor da zona de conforto quando o chama para "beber uma Devassa". Existem N propagandas muito mais explícitas e com muito mais apelo sexual (e sexista) do que esta. Pra mim, a campanha da AXE ofende muito mais a mulher do que qualquer outra (afinal, qual mulher fica farejando homem por aí, como se estivesse no cio?). o CONAR deveria fazer forte vigilância nas propagandas enganosas (sim, elas existem)com o seu Pinóquio do mal e deixar as campanhas ousadas (ou polêmicas) para quem tem coragem de pôr a cara a tapa.
Assinado, quem não tem parentes na Schicariol, odiou a Bem Loura e não está ganhando nada pra escrever isso; apenas preocupado com a censura velada.