terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Meu novo blog

No post anterior eu disse que aquela seria a última vez que me dirigiria a vocês neste endereço internético. Não me aguentei a cá estou. Mas não para ressuscitar o Louco, não. Publicitário - e sim para falar do meu novo projeto (sempre quis dizer que estou com um novo projeto). Trata-se de um novo blog, o www.4verbos.com.br. Bem mais moderno, interessante, bonito e cheiroso. É a coisa mais linda que a Internet já viu desde a criação do fax.

Nele, falo de praticamente tudo que possa render um bom texto. Cinema, futebol, política, gastronomia, metafísica, ciências biológicas, tratamentos odontológicos e revolução bolchevique. Tudo mesmo. Recomendo que sigam, até porque não estou nessa sozinho. Outros três amigos publicitários igualmente vencedores de prêmios Nobel de Literatura também fazem parte do 4 Verbos. E se você também quiser escrever nele, é só mandar seu texto que publicamos com inenarrável prazer. Desde que, claro, seja um texto a altura das grandes obras literárias habitué daquela nova casa.

Dito isso, acessem, leiam, curtam, comentem, compartilhem, escrevam... É muito mais que apenas 4 verbos:

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Fim

(Então é isso) - Amigos, essa é a última vez que me dirijo à vocês. Pelo menos, a última vez aqui neste endereço internético. Isso mesmo, chegamos ao fim, acabou, au revoir, tchau e bênção. Depois de refletir sobre a forma e o conteúdo do Louco não, Publicitário eu cheguei a uma conclusão bastante racional: é hora de dizer adeus! Não porque eu perdi a vontade de fazer, nem por estar de saco cheio de escrever sempre sobre o mesmo assunto, nem por nada. Só percebi que o ciclo se fechou, era isso, "eu sou trezentos, sou trezentos e cinquenta..." - como diria Mario de Andrade. (?)

Quando criei este blog, em fevereiro de 2006, tinha lá meus três objetivos bem claros: desenvolver minha redação; entender aquele fenômeno que atendia pelo nome de Internet 2.0 e, finalmente, me manter conectado ao submundo pantanoso da publicidade. Pensava nesse pequeno tripé sempre que abria o editor do Blogger para publicar algo que tinha chamado a minha atenção naquele dia. Eu queria compartilhar com outros estudantes de comunicação as boas ideias que surgiam por aí. Essa era a minha missão, e para mim, parceiro, missão dada é missão cumprida.

Todos devem concordar que seis anos e oito meses é muito tempo, tanto tempo que uma outra Internet foi criada nesse período. Tudo mudou incrivelmente devagar, e aquele formato que eu me propus a empreitar lá atrás já não existe mais, não tem mais o mesmo sentido no final de 2012. Não preciso mais de um blog para compartilhar ideias, nem para me manter sintonizado no noticiário das grandes ações de marketing, tá tudo bem mais fácil com todas essas redes sociais.

Sei que isso não tem muita importância, mas queria dizer que fechamos o boteco com 1.359 postagens, 2.260 comentários e 1.308.697 visualizações de página em 2.436 dias no ar (ainda se diz "no ar"?). Enfim. 

Aproveito para agradecer imensamente os incentivos que recebi dos amigos Augusto Oliveira, Alexandre Fabian, Cristina Wiegert, Juliana Dornelles, Marcelo Resquetti, Rogério Iwankiw, Marcio Ferreira, Patrick André, Fábio Lettrari, Fred Fagundes, Marina Danielides, Francielly Senra, Gracielle Galvão, Tiago Andé e todos que ajudaram a fazer do Louco, não. Publicitário um bom lugar para uma visitinha.

Por fim, um agradecimento especial aos meus dois grandes amigos Ismael Gadelha e Leandro Magalhães, que contribuíram regularmente com o blog. Vocês foram verdadeiros conselheiros que sempre me passaram muita inspiração. Obrigado, canalhas!

É isso.

Tenham todos um bom dia, e caso eu não os veja mais, uma boa tarde e uma boa noite.

Luciano Marino

Maldição, começamos e terminamos num dia 23.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Revista Destinos Top: muito além do tradicional

Mais uma bela campanha impressa da sempre criativa AlmapBBDO. A criação para a revista Top Destinos lembra que Paris ou Londres vão muito além das famosas Torre Eiffel e Big Ben. Só faltou colocar ai alguma coisa da Itália - o Coliseu, talvez.



quarta-feira, 10 de outubro de 2012

50 tons de cinza?

Supimpa este vídeo. O cidadão "coloriu" a cena manualmente, sem truques, sem photoshop. O resultado é fantástico.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

AO VIVO: o salto insano do garoto-propaganda da Red Bull


Eu já disse aqui que essas maluquices da Red Bull ainda vão destruir a sua imagem. Qualquer dia neguinho se estrupia ao vivo e todo mundo deixa de consumir o energético rubro-taurino. Todos só estão achando lindo porque ninguém ainda estampou os miolos na lente da câmera, mas, aguardem.

Neste exato momento, por exemplo, estão transmitindo ao vivo no Youtube a tentativa de quebra de alguns recordes. A Red Bull Stratos está mandando um cidadão a 36 km de altura usando um balão estratosférico. Chegando lá, ele olha para baixo e pula, despencando por mais de cinco minutos. Segundo as expectativas, o rapaz deve atingir a velocidade do som (340 m/s, para os ignorantes). Tudo para lembrar que a Red Bull te dá áaaaaasas. Genial, se não fosse tão estúpido.

Acompanhe no streaming abaixo e torçam para que esse pobre coitado saia vivo para contar a história.



Vivo Sempre Internet, entendeu?

Já falei do meu "profundo" conhecimento sobre novelas por aqui, então você já sabe que não pode me levar muito a sério sobre o assunto. Se eu não me engano esse aí de baixo foi um personagem do Clone - Lucas, se não me falhe as ideias. De qualquer forma, o comercial da Vivo me parece ser bem bolado, uma ótima oportunidade sobre algo que esteja na boca do povo. Também é uma bela integração entre duas guardas, no caso, a velha e a nova. Quem assina é a agência VML Brasil.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Vídeo ensina como fazer uma propaganda eleitoral

Só para não dizer que não falei das eleições aqui, o vídeo que está na boca da blogaiada essa semana. Como fazer uma propaganda eleitoral. #GENIAL

O problema é a escolha




Não costumo ser partidário de quase nada, defender algo com unhas e dentes para satisfazer uma espécie de ego coletivo. Prefiro não fazer parte de uma tribo, ser fanático por uma marca, militante de ideia imutável, resumindo: ser um desses insuportáveis xiitas. Nunca gostei, só não sei se é por receio ou convicção. Acho que é por convicção. Prefiro ser um lobo solitário, por isso não busco conforto em multidões - também nunca bebo nada com canudinho, não uso camisa xadrez a jamais compraria um carro automático, mas isso não tem nada que ver com o assunto - só me orgulho disso também. Sempre penso em nossos ancestrais, que comiam carniça, e temo desapontá-los. - Ui, que nojo esse seu Android.

Falando nisso, taí um excelente exemplo: a "guerra" dos sistemas operacionais para smartphones. Ou você tem um maldito "i" qualquer coisa, ou você tem um Galaxy qualquer coisa. Não importa, você tem que idolatrar o seu e achar o outro desprezível. Virou questão de honra, não importando muito o que aconteça, defensores da marca viraram ovelhas, como vi em um comercial desses. Transformaram meras concorrências em guerras - guerras bastante idiotas, diga-se de passagem. Então eu penso: mas quem foi mesmo que alimentou toda essa bobagem? Por que os aficionados por iOS são tão babacas e os de Android vivem tentando provar que não são, quando também são? Acho que tenho uma resposta.

A sociedade sempre vai te cobrar uma posição, qualquer posição, moderno ou clássico, republicano ou democrata, Chico ou Caetano, Schumacher ou Senna, Mac ou PC, capitalismo ou socialismo, rock ou samba, Playstation ou Wii, Garantido ou Caprichoso. É fácil de entender, está inveterado na nossa história, aprendemos a gostar disso, evidenciamos essas diferenças. Não basta ter um lado, tem que lutar por ele, ignorando a racionalidade, o bom senso. Quando estamos incondicionalmente de um lado, a tendência é procurar argumentos que nos convenham, destacar as falhas do outro, ser imparcial e até certo ponto, leviano. Por isso não gosto de conceitos pré-definidos. Emburrece. O presidente Barack Obama disse em certa oportunidade: "Não existe uma América liberal e outra conservadora; existe os Estados Unidos da América."

A indústria se aproveita muito bem disso, e cria essas rivalidades bestas. Não me interessa se a Apple é melhor ou pior do que a Samsung, se os seus celulares são mais ou menos cherosos, até porque eu não entendo bulhufas de nada. Só sei mesmo é como se prepara um verdadeiro molho para cachorro-quente. O segredo está na ordem de mistura dos ingredientes, não exagerar no azeite e saber a hora certa de diminuir o fogo. Voltando, quase ninguém sabe direito sobre o que está falando, só para se ter uma ideia, dentro de um celular existem mais de duas mil patentes. As pessoas defendem coisas que não entendem, colocam todo o seu ódio a serviço de coisas irrelevantes, banais - pelo amor de Deus, é só um celular! Por mais que eu me esforce, não consigo entender direito o que toda essa gente pensa.

Dias desses vi dois animais da nossa espécie brigando no avião. Época nobre de eleição, sabe como é. Cada um com seu candidato, elevando-os ao status de deuses gregos da honestidade, verdadeiros Aeacus - quando na verdade eram ícones de uma das nações mais corruptas que se tem notícia. Por isso eu não caio nessa, não me importo nem um pouco quando meu argumento perde o valor, se achar que devo, mudo de lado sem pestanejar. Radical demais?! Não. Apenas tento não levar para o lado pessoal, não sigo mandamentos, não pertenço a tribos. Sou uma metamorfose ambulante.

Falo tudo isso porque não concordo com este vídeo que o canal World Wide Interweb fez para satirizar o comercial do Internet Explorer 9.0.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

A vida, o universo e tudo mais em apenas 2 minutos




Bem que poderia ser um comercial, com uma assinatura qualquer no final - Futura, talvez. Mas não, é apenas uma edição absurdamente benfeita (não estranhem, é assim mesmo que se escreve depois que resolveram unificar a língua portuguesa pelo mundo. A propósito, ouvindo a "Voz do Brasil" dia desses ouvi sobre Projeto de Decreto Legislativo dos senadores Cyro Miranda e Ana Amélia (PP/RS) para estender o prazo de adaptação da reforma para o final de 2019. Seria uma década inteira valendo dos dois jeitos, o que serviria apenas para aumentar a confusão. Brasileiro já fala e escreve tudo errado mesmo, que oficializem logo as novas regras e mandem todos parar de ver novela e estudar um pouco!) que mostra em ordem cronológica os principais acontecimentos mundanos. O negócio começa no Big Bang, passa pelo Império Romano, Revolução Industrial, Hitler, Kennedy, Beatles, Queda do muro de Berlim, WTC e termina na profecia apocalíptica dos maias, tudo em apenas dois míseros minutos. É muita coisa para um mundo só, fico imaginando o trabalho infernal que isso deve ter dado.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Sono pesado

Acho que gosto disso, boa direção de arte e originalidade. A criação é da Leo Burnett, de Hong Kong, para a marca de travesseiros Casablanca. E você, o que me diz?



segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Nike: ontem você disse amanhã

Eu tenho algumas pequenas teorias, algumas boas, outras bastante desprezíveis. Umas das boas refere-se à prática de exercícios físicos. Ou você gosta e pratica feliz, todos os dias, ou não gosta, tenta praticar depois de um diagnóstico amedrontador, confirma que não gosta, para de praticar e morre de enfarte. Simples assim. O anúncio abaixo parece ser muito bom, mas não dá para entender direito quem ele tenta atingir. Prestem atenção à mensagem: "Ontem você disse amanhã." Vamos dissecar isso melhor.

Aparentemente é um lembrete para alguém que prometeu fazer alguma coisa hoje. Correr, talvez. Se ontem ela deixou para amanhã, já não é um bom sinal. Se ela precisa ser lembrada para não esquecer da corrida, piorou. Suspeito que estamos falando de alguém que não morra de amores por uma corridinha matinal. Já sabemos o que acontece com pessoas assim, né não?

Ainda falando da minha teoria, o que essa gente precisa é de motivação, não de cobrança. Ela deve buscar prazer no exercício, jamais encarar como uma obrigação - ou faz, ou morre. Correr deve ser legal, e consequentemente, fazer bem para corpo e mente. É preciso apenas descobrir como encontrar essa motivação, aprender a gostar, mudar de grupo. Cada um tem sua forma para se manter motivado. Eu, particularmente, peguei graça pela coisa porque foi a melhor metáfora da vida que encontrei. 

Ontem mesmo participei de uma corrida de rua, coisa leve, 5k - como se diz na gíria do boleiro - fiz em pouco menos de meia hora, meu melhor ritmo no ano, devo sublinhar. Depois que cruzei a linha de chegada pus as mãos nos joelhos para descansar, senti a endorfina agindo, soltei o ar sorrindo e pensei: estou vivendo.

Esse é o espirito da coisa!

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Para aqueles alunos que só pensam em futebol

É disso que estou eu falando quando me refiro a uma campanha impressa de verdade. A criação é da agência Babel para promover a Copa Diário de S. Paulo Seme de Futsal.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Nada se cria | 179

Links para esta postagem
Não sou muito de acompanhar novela, na verdade, não sou nem um pouco de acompanhar novela, nada, zero. Não quero ser esnobe, só não consigo me interessar pela trama, muito menos pelos personagens - quase sempre representantes das camadas sociais que encontramos facilmente em qualquer pesquisa sobre a nossa grande república federativa. Uma vez me perguntaram quem eu achava que tinha matado a Thais. Juro, não chegava nem perto de suspeitar quem diabos era a assassinada em questão. Perguntei se era alguém conhecido, e me falaram que era a "Thais da novela". Depois ainda me questionaram em que mundo eu vivia, pois só se falava da morte da Thais.

Em outra situação eu estava viajando a trabalho e fui convidado para um churrasco na casa de uns amigos que viviam naquela cidade, cheguei no horário combinado e precisei esperar a novela acabar para começarmos o pagode - acho que era o último capítulo ou coisa parecida. Ninguém respirava, já eu, totalmente deslocado, fiquei prestando atenção na decoração da sala, jogando Tetris no celular e brincando com um simpático peixinho no aquário.

Como disse, não tenho nada contra as novelas, só não gosto, não devo ser o público ou sei lá o que. A última novela que vi mais de dois capítulos foi uma do Raimundo Flamel, mas isso já faz muito tempo. Ele era uma espécie de alquimista e tinha uma maldição peculiar: tudo que ele tocava virava ouro. Então ele segurou acidentalmente no braço de sua namorada e, pimba! Ela virou uma estátua dourada. Depois disso não demorou muito e a novela acabou, não lembro bem que fim teve o azarado do Raimundo Flamel. Também assisti "Vovô e eu" e "Carrossel", no SBT, dessas, por algum motivo eu gostei bastante, acho que não tinha mais o que fazer. Também vi "Pantanal" e "A história de Ana Raio e Zé Trovão", na extinta TV Manchete, que hoje atende pelo nome de Rede TV. Enfim.

Digo tudo isso porque recebi de alguns amigos estes dois anúncios vendendo pen drive. São anúncios de oportunidade sobre a novela que está novamente parando o país, apesar de um parecer claramente cópia do outro. Vai pro Nada se cria e não fala mais nisso.

E eu também não sei quem é essa tal de Nina, só sei que ela parece precisar muito de um pen drive.

Papelaria Grafitte
Agência: Mercatto
País: Brasil
Ano: 2012

Extra Hiper
Agência: -
País: Brasil
Ano: 2012
  

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Belos anúncios impressos da Pierre Martinet

Aventura visual nota 8.75, e nada que vá muito além disso. A criação é dos cérebros franceses da TBWA para a Pierre Martinet. Vai dizer que não ficou com vontade de beber um suco de beterraba depois disso?


E se o iPhone 5 fosse 10x maior?

Sensacional essa anti-propaganda do iPhone 5 postado no canal Satire. Ao melhor estilo do "revolucionário" Book, a sátira é baseada na reclamação dos consumidores sobre a falta grandes novidades na nova versão do aparelho. Se bem que, uma tela maior permitia um mundo totalmente novo de possibilidades, não acham?

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Nextel apela para a emoção


Eu tenho gostado muito do novo posicionamento que a Nextel adotou recentemente, mexer com a emoção das pessoas é sempre bom para os negócios. E quando essa emoção vem temperada com superação, melhor ainda. Não é uma fórmula nova, muito pelo contrário, deve ter sido inventada na Grécia Antiga pelos helenos, mas como tem sido executada com extrema competência e massificada nos canais fechados, estão colhendo os devidos frutos.

O vídeo abaixo criado pela Loducca e produzido pela O2 Filmes é de uma perfeição absurda - não tinha como ser diferente. Ricardinho é o cara certo para a missão, brigou com uma unanimidade nacional, se debandou de um dos times mais vencedores da história do esporte, foi ao inferno, assumiu que errou e voltou para ser medalhista olímpico. Na verdade nunca entendi bem o que diabo aconteceu com ele, acho que ele também não fez muita questão de explicar direito. Sei que depois de ver 50 dúzias de vezes esse comercial nos intervalos do tênis, deduzi que ele tenha mesmo dado a volta por cima - graças a Fabiane, Júlia e Bianca.



Em tempo: Esse negócio de projeção mapeada é mesmo muito legal.
 

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Para alguns, é o Monte Everest

A ideia não é das mais novas, foi vista no longínquo ano de 2007 em uma ação de guerrilha para a Associação de Deficientes americano, mas ainda vale a nota aqui no blog. Nem tem muito o que explicar, é apenas uma maneira criativa que encontraram para chamar a atenção daqueles que não precisam escalar um Monte Everest todos os dias.

Mais polêmico do que criativo | 49




Fazia algum tempo que eu não postava um comercial banido por ofender alguém ou alguma coisa. Bem, este filme da Bic ofendeu, no caso, a comunidade asiática que vive na América do Norte, e por isso foi duramente criticado no Canadá. Não gosto de ficar narrando o que acontece no vídeo, assistam e vejam o que acontece.

O título Bictator é uma espécie de homenagem ao filme 'O Grande Ditador', e mostra que coisas terríveis podem acontecer quando a caneta não é uma Bic - inclusive condenar um prisioneiro porque a caneta falhou. A criação é da agência Crispin Porter + Bogusk.

Muitos consumidores se incomodaram com o filme e o próprio anunciante achou melhor suspender a veiculação. Os espectadores consideraram o anúncio extremamente racista, insensível e de mau gosto, um deles chegou a escrever o seguinte email: "Dada a propensão de penas de morte em alguns países asiáticos a ideia da Bic de brincar com este tema é ultrajante."

Vale dizer também que esta não é a primeira vez Bic do Canadá retirou um anúncio do ar depois de receber vaias dos consumidores. De qualquer forma pediram desculpas através do Twitter e substituiram o comercial por outro qualquer. Pelo visto não querem encrenca com nenhum asiático.

Não vou repetir o que sempre digo nesses casos, só acho uma bobagem descomunal tirar o comercial do ar. Será que essa gente não tem nenhum senso de humor? O comercial é divertido e faz uma metáfora bobinha, sem querer menosprezar ninguém. Alguém aí concorda?

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Ideia não é suficiente

A campanha impressa criada pela agência curitibana Sim para a MindSet Films é sensacional, não tenho dúvidas. Só não entendo por que sempre usam os mesmos filmes clássicos. Titanic e King Kong são figurinhas carimbadas, lembram dessa campanha da Tam? E isso foi só um exemplo rápido, também tem essa da Panasonic, essa da Volia e outras centenas de milhares espalhadas por aí. Que coisa, sô!



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

O que as crianças veem quando os adultos bebem?




Absurdamente impactante o novo filme da Fragile Childhood criado pela Euro RSCG, da Finlândia. Confesso que até tomei um susto com o coelho-zumbi - coisa mais macabra! Depois fiquei pensando melhor na mensagem por trás do vídeo, será que basta apenas falar que as pessoas são vistas como assustadoras quando bebem? Seria esse o melhor incentivo para que elas abandonem o vício?

Como disse, o vídeo é impactante, mas impossível não questionar se ela gera a reflexão em quem realmente importa. Estão igualando o mero consumo de álcool com o abuso de crianças, o que não é necessariamente verdade. Quem bebe pode não achar um argumento válido, e aí a coisa toda perde um pouco do sentido. Também não tenho a menor ideia de como é a vida na Finlândia, só sei que as pessoas costumam se matar por lá - culpa do frio, não do álcool. Certa vez vi um estudo comprovando que o índice de suicídios é maior em países com temperaturas mais baixas.

Divagações à parte, o mais óbvio mesmo é que tentaram apenas reproduzir a visão de uma criança que olha para os pais bêbados. Um bom recado, no fim das contas. Uma rápida pesquisava no gúgou e você encontra muito mais vídeos dessa ONG. Recomendo!

terça-feira, 11 de setembro de 2012

O Brasil nas redes sociais


Mais um infográfico atualizado sobre a presença do Brasil nas principais redes sociais. Quem juntou os dados da Comscore e mastigou tudo foi o designer Alex Affonso, que é facilmente visto no twitter @alex_affonso.



Bisbilhotei no sempre excelente blog Vitamina Publicitária.
 

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Nada se cria | 178

Inicio os trabalhos da semana com mais um Nada se cria. Isso é para quem duvidava que eu não era capaz de publicar um anúncio da Bulgária e outro da Argélia no mesmo post.


Hyundai Heavyweight Div
Agência: JWT
País: Argélia
Ano: 2008


JCB – Super natural power
Agência: Publicis Marc
País: Bulgária
Ano: 2009
 

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

As 10 entrevistas mais engraçadas do Programa do Jô

Links para esta postagem
Um lista bastante subjetiva (não tinha como ser diferente) das melhores entrevistas de humor do Programa do Jô. Ô blogueiro, mas o que isso tem a ver com o blog? Nada, absolutamente nada! Apenas pesquei as 10 entrevistas que mais fizeram a minha barriga doer de tanto rir. Um bom critério, não acham?

1º | Claudinho, o político gago:

- Não é qualquer um que vai perguntar meu nome e eu não vou saber falar.

2º | Fabio Porchat:

- Tem o zumbi bundão, que você da tapa na cara, esse eu acho mais idiota.

3º | Eduardo Sterblitch:

- Na infância eu pensava que era veado.

4º | Fábio Rabin:

- Eu vi a minha irmã numa cena com uma bandeija de salgadinho com os peitos de fora.

5º | Marcelo Adnet:

- É uma bobagem sem fim, mas a gente gosta.

6º | Paulo Gustavo:

- Porque gordo no avião é foda!

7º | Dani Calabresa:

- Tem uns amigos boboquinhas que falam: "Ela é calabresa porque é que nem pizza, é redonda e dá pra oito."

8º | Fabio Porchat (de novo):

- Trago a pessoa amada em... "olha pro lado, olha quem taí".

9º | Beto Hora:

- Então meu pai me disse: "Fazer o que você faz eu até aceito, mas achar quem pague eu acho incrível."

10º | Sérgio Mallandro:

- Iêié... Rá! Iêié...
  

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Guerrilha extremamente criativa na China

Falei aqui ontem sobre o filme da Fundação SOS Mata Atlântica sobre emissão de CO2 na atmosfera. Aproveitando o embalo, vejam que belíssima ação de guerrilha a agência DDB produziu recentemente para a ‘China Environmental Protection Foundation’.

Não tem muito o que explicar, o vídeo case mostra bem a produção da ideia relativamente simples, mas que causou enorme repercussão em todo o país. Eles imprimiram uma árvore sem folhas em uma tela branca e colocaram sobre algumas faixas de pedestres de Xangai. Em cada um dos lados foi colocado uma esponja com tinta verde, e conforme as pessoas atravessavam a rua a mágica acontecia.

A mensagem “Caminhe mais e dirija menos” ia ficando cada vez mais clara. Isso porque segundo informações oficiais a China possui mais de 500 milhões de automóveis em circulação, ou seja, meio bilhão de escapamentos liberando seus terríveis gases poluentes. E antes que algum chato venha me aporrinhar as ideias, já adianto que a tinta utilizada era facilmente lavada. O mais legal é que depois que a campanha terminou o painel ficou em exposição em um museu de Shanghai.



| Vi no blog Comunicadores 
 

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Vá de galinha!





Neste fim de semana foi divulgado o tão aguardado 37º Anuário do Festival do Clube de Criação de São Paulo, e não é que o já esquecido filme "Vá de galinha" foi um dos destaques? Para quem estava em Marte envolvido na missão da NASA com o Curiosity, me refiro a um comercial bem legal criado pela F/Nazca para a Fundação SOS Mata Atlântica.

O filme faz um comparativo com a velocidade média de um carro durante um congestionamento e uma galinha. Isso mesmo, vai dizer que você não sabia que ambos locomovem-se praticamente à mesma velocidade? Isso sugere que as pessoas utilizem-se de outros meios para ir ao trabalho, faculdade, supermercado, correio, padaria, feira livre, academia, motel (não! Motel, não), casa de câmbio, dentista, nutricionista, anestesista... (ok, acho que já deu pra entender).

A campanha foi lançada no Dia Mundial sem Carro de 2010 e lembrou que o trânsito é um dos grandes vilões do meio ambiente. Li em algum lugar que só os veículos paulistanos vomitam anualmente 43 milhões de toneladas de CO2. Ou seja, se é para andar a 15 km/h, que vá de galinha! Pelo menos não polui o ar.

O mascote da Copa de 2014

comunicadores mascote copa 2014 tatu bola ilustracao design brasil  tatu bola mascote copa 2014
Neste fim de semana a Revista Veja revelou o mascote da Copa do Brasil (não a nossa Copa do Brasil, a Copa que vai ser no Brasil. Digo... éééé.. vocês entenderam.) Pois então, se tem três coisas que eu nunca entendi direito são: 1) o que faz uma organela citoplasmática; 2) o que faz a Paris Hilton; e 3) para que serve mesmo um mascote de Copa do Mundo? Suspeito que seja apenas para adornar o álbum de figurinhas da Panini - me refiro ao mascote. Acho que devo reler este livro aqui.

Segundo a publicação semanal com o verbo no presente do conjuntivo, o mascote ainda não foi batizado, um pagão, afirmariam os mais religiosos. Por enquanto estão o chamando pelo nome da espécie, no caso, Tatu-Bola, ou, Tolypeuctes tricinctus, se você quiser parecer entendido sobre nomes científicos de tatus.  Se eu fosse da organização da Copa que cuida dos batismos, arrumaria logo um  nome para o pobre animal, sabe como são os brasileiros, arrumam apelido pra tudo.

Dito isso, segue abaixo uma lista sem muita importância dos últimos mascotes vistos em Copas do Mundo, são eles, respectivamente: Willie (Inglaterra 1966), Juanito (México 1970), Tip e Tap (Alemanha 1974), Gauchito (Argentina 1978), Naranjito (Espanha 1982) e Pique (México 1986); Ciao (Itália 1990), Striker (EUA 1994), Footix (França 1998), Ato, Kaz e Nik (Coreia do Sul e Japão 2002), Goleo (Alemanha 2006) e Zakumi (África do Sul 2010).


E já que estamos falando de batismos para 2014, finalmente escolheram o nome da nossa Jabulani, será “Brazuca" - e não se fala mais nisso. Já podem chamar o Cid Moreira para gravar a vinheta.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Nada se cria | 177

Que um é cópia do outro eu não tenho dúvidas, e como não quero ser leviano - até porque tem santo no meio - prefiro não afunilar minhas acusações. O site oficial do Inter diz que seu selo foi criado a partir de elementos ligados à historia e ao patrimônio colorado, com alusões ao estádio Gigante da Beira-Rio e ao ginásio Gigantinho. A conjugação de ambos os ícones forma a figura estilizada do Saci, o mascote oficial do time gaúcho. Entortando um pouco a cabeça para o lado você até exerga alguma coerência, enfim.
 
Já sobre o selo franciscano não tenho muito o que dizer, tudo se resume à uma fan page no Facebook. Nessa página, publicações que remetem à populares celebrações mundanas, festas, bebidas e garotas em trajes minguados - devem estar fazendo alguma alusão à fase porra loca do santo.
 

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Veja como a Red Bull está promovendo o GP da América




A Red Bull (RBR, para a Globo) se especializou na arte de promover corridas de Fórmula 1. Sempre inovando na forma de vender um velho produto aos não apaixonados, ela soca o carro rubrotaurino em tudo que é buraco. Uma rápida pesquisada no VocêTubo e você entende o que estou dizendo - e acredite, tem de tudo.

Pois bem, a bola da vez é o Grande Prêmio da América, que será disputado nas charmosas ruas de Nova Jersey em meados de 2013 (caso o mundo não acabe até lá). Para isso chamaram o veterano piloto escocês David Coulthard e montaram uma megaprodução, com direito a quase tudo que se pode fazer com muito dinheiro, pouca criatividade e uma bela ilha de edição. 

Não sei bem o porquê, mas isso me lembrou um pouco as antigas propagandas de cigarro - aquelas surreais da Hollywood - que colocavam cavalos puro sangue correndo na Antártica, lembram?

Precisa-se de blogueiro, e dos bons


Já falei da Mercatto aqui no Louco, não. Publicitário algumas vezes. É uma agência relativamente jovem, talentosa e que não costuma pensar como agência, nem um pouco - como se diz na roça, ela enxerga além da curva. E o que mais gosto em agências assim é que mesmo as pequenas coisas - como o recrutamento de um estagiário - são feitas com uma boa dose de criatividade. E como estão precisando de um estagiário que não pense como estagiáio, veja só o que resolveram fazer.

A agência vai premiar o acadêmico que entregar o melhor projeto de blog, vlog ou videocats com um estágio remunerado + iPad. As melhores ideias serão analisadas por nada mais, nada menos que o Guilherme Valadares (PapodeHomem); Eden Widermann; Rodrigo Fernandes (Jacaré Banguela); Maurício Cid (Não Salvo) e eu (devem ter me confundido com alguém relevante). 

Ficou interessado, né? Quer mais detalhes? Então corra para mercattando.tumblr.com ou a Fan Page da agência no Facebook. E boa sorte a todos!

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Spoleto e Kibe Loco: transformando processos em views

Incrivelmente genial esse pequeno case. Vi no blog de humor Kibe Loco e como nos diz respeito, não tinha como não pingar por aqui. A história começa com um vídeo intitulado “Fast Food” que o blog produziu e publicou em 13 de agosto. O vídeo satirizava o padrão de atendimento de restaurantes como o Spoleto, onde você escolhe a massa, os ingredientes do molho e o cozinheiro prepara tudo na sua frente. Confira:



A O Spoleto ficou sabendo do vídeo e, ao invés de sair processando os autores, aproveitou a grande audiência do blog, o talento do comediante Fabio Porchat, e claro, o público que consome esse tipo de material - e resolveu patrocinar uma continuação. O resultado é um grande final feliz, com enorme potencial para se viralizar pela grande rede de computadores. Veja com seus próprios olhos:



Para a marca é um desfecho bem melhor do que um juiz carrancudo sentenciando um blog de humor a não mexer com quem tá quieto. Não acham?

Os truques que ninguém percebe quando vai ao supermercado




A faculdade de Marketing ensina, e até hoje não encontrei uma pessoa que não achasse interessante o fato da padaria estar sempre no fundo do supermercado. Putz, é verdade, nunca tinha me tocado disso! - é o que sempre dizem. E o motivo é bem simples: se você só quer comprar um pãozinho, por que não obrigá-lo percorrer mais corredores para se lembrar também do pó de café?

O layout de um supermercado vai muito além de organizar as coisas com bom senso, ou seja, não colocar a água sanitária do lado do presunto. Hoje em dia a disposição dos produtos é mais que uma ferramenta de venda, virou uma estratégia importante de comunicação. O objetivo é maximizar o impulso de compra das pessoas, ou você acha mesmo que aquelas porcarias que ficam ao lado da fila do caixa estão ali por acaso? Que atire a primeira pedra quem nunca pescou um Sonho de Valsa enquanto esperava na fila.

O som também tem um papel fundamental, reparem que o música é sempre mais lenta quando o mercado está vazio, e o oposto quando está cheio. É bastante óbvio, mas quase ninguém percebe. Quanto mais tempo o consumidor passear pelas prateleiras, maiores as chances de lembrá-lo do que está faltando em casa (ou até do que não está faltando). Em contrapartida, com o mercado cheio a música te diz: bora logo com isso meu filho! Mas isso é muito subjetivo, é claro que se você estiver com pressa não tem Johann Sebastian Bach que diminua o seu passo.

E foi pensando nisso tudo que a revista Galileu produziu este vídeo contando alguns desses "truques" presentes em qualquer supermercado. A compra casada, produtos certos na altura dos olhos das crianças, enfim, tá tudo pincelado aí.

Manual Prático de Criação Publicitária


Bem legal o que fez o publicitário Flavio Waiteman. Ele disponibilizou gratuitamente para download o seu excelente livro "Manual Pratico de Criação Publicitária" - "foi uma forma de agradecer as lições que me ensinaram", explica. 

Em seu site - www.flaviowaiteman.com.br - tem mais detalhes, inclusive alguns dos grandes trabalhos da sua premiadíssima carreira. Recomendo que deem uma conferida em todos eles.

| Se preferir, clique aqui para fazer o download do livro.

Aperte o cinto. Fique vivo.

O que dizer de uma campanha assim? É, eu sei. A criação é da agência canadense LG2 para uma seguradora de automóveis de Quebec.



terça-feira, 28 de agosto de 2012

Neil Armstrong: 1930 - 2012

Não tem como ser muito mais brilhante que isso. O anúncio criado pela Carmichael Lynch para o Denver Museum of Nature Science homenageia com maestria o norte americano Neil Armstrong - célebre por ter sido primeiro homem a pisar na Lua. E o mais legal é que não trata-se de uma montagem, essa foto realmente existe. Foi tirada pelo próprio astronauta enquanto seu companheiro de missão Buzz Lightyear Aldrin hasteava a bandeira estadunidense em solo lunar. Era um pequeno passo a humanidade, mas um gigantesco passo para os Estados Unidos da América - como diria algum soviético lamentando o começo do fim da Guerra Fria.




quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Marisa: 1 homem para cada 96 mulheres



Vocês já assistiram 'Do que as mulheres gostam', com Mel Gibson? Foi um dos bons filmes com publicitários que postei aqui em algum momento na história deste blog. Se não viram, deveriam ver - mais de uma vez, inclusive. Fica bem mais fácil entender como um comercial como este poderia perfeitamente ter saído da cabeça de um homem. É, poderia, mas não saiu. O texto é da  redatora Sophie Schoenburg, da sempre criativa AlmapBBDO.

Brandversations: qual marca você vê primeiro?

Sensacional o que fez designer gráfico Stefan Asafti. Ele pegou o logotipo de grandes concorrentes mundiais e fez essa molecagem. A propósito, fiz essa pergunta no título do post porque considero relevante ressaltar uma coisa. Tente identificar qual marca você enxerga nos primeiros microssegundos (tá certo esses dois ésses? E é assim que se escreve "s" no plural, vai acento? Maldita reforma ortográfica!), é essa mágica que ajuda a definir qual marca está melhor posicionada na sua cabeça. Simples assim.

:: Clique nas imagens para ampliar, se achar que deve.